Madeiras para violão

Postado por admin março 28, 2012 COMENTE

Quem acha que as cordas são as únicas responsáveis pelo som do violão está muito enganado. O tipo de madeira tem um papel fundamental na tonalidade do timbre de cada violão.
É claro que o ato da fabricação tem vários fatores que alteram as propriedades tonais da madeira, mesmo sendo a mesma madeira a ser trabalhada pelo mesmo fabricante.
O que um luthier leva em conta é a velocidade que o material transmite a energial vibracional. A maioria dos luthiers acreditam que a madeira escolhida para o tampo é o fator mais importante na determinação da qualidade do som e do instrumento, mas são unânimes em afirmar que também o design e a qualidade das peças também influenciam na sonoridade do violão.

Para você entender melhor cada tipo de madeira, listamos abaixo suas principais caracteríticas.

Mogno: São muito bons para fazer violão e são normalmente mais usados no fundo e nas laterais. Muitos violões Gibson vem usando mogno de Honduras. Mas de forma geral, para o tampo, ele tem um forte punchy produzindo bons sustenidos e uma velocidade de som relativamente lenta. Para o fundo e nas laterais, o mogno tem uma velocidade relativamente alta de som, tendendo a enfatizar os graves e agudos.

Jacarandá da Bahia: O famoso Brazilian Rosewood é uma das principais e desejadas madeiras para violão, infelizmente, o Jacarandá é uma espécie sob o risco de extinção, com mais de 200 anos de história de exploração. Sua densidade, beleza, riqueza de timbres e sua ressonância completa fazem jus à essa intensa busca. Enfim, complexidade timbrística e alta velocidade de som produzindo uma tonalidade sólida é a sua marca.

Jacarandá Indiano: Principalmente para os estrangeiros esse Jacarandá vem sendo mais utilizado do que o brasileiro por ser uma madeira mais barata. As características tonais do Jacarandá Indiano fazem dele uma madeira popular, que inclui uma forte resposta dos graves com um longo sustain. Sua coloração varia desde o marrom, passando pelo rosa até o preto. É uma das madeiras mais usadas para violões de alta qualidade.

Maple: Essa madeira vem sendo utilizada a centenas de anos e provou-se ser uma excelente escolha principalmente para instrumentos da família do violino e bandolim. Há muitas espécies disponíveis e que crescem em muitas regiões do mundo. Mas Maple também é uma boa opção para o violão devido à sua tonalidade com um toque brilhante e para guitarra pela sua notável projeção.

Sitka Spruce (Espruce): Esta madeira norte-americana é ideal para o tampo. O Espruce é a madeira mais utilizada hoje em dia para a fabricação do tampo, e o Sitka é a espécie mais comumente utilizada. Sua alta rigidez combinada com as características macias e leves faz com que soe naturalmente com uma alta velocidade de som. Mesmo sendo tocado com força, essa madeira consegue soar com clareza. Isso faz do Sitka uma excelente escolha de madeira para o tampo, músicos cujo estilo exige uma resposta dinâmica ampla e um tom mais robusto. Por outro lado, a falta de uma tonalidade mais complexa faz com que Sitka soe um pouco fino aos leves toques, mas claro que tudo depende do desenho do instrumento e das outras madeiras envolvidas.

Engleman Spruce: Outra madeira norte-americana, tem muita das características tonais do German Spruce (uma espécie europeia de Espruce). Devido a sua rigidez e peso diferente do Stitka spruce, o tampo feito pelo Engleman produz um som mais suave. Esta madeira é uma boa opção para instrumentos clássicos também.

Cedro Vermelho: Por décadas esta é uma madeira que vem sendo utilizada para o tampo de violões clássicos, e está se tornando popular também entre entusiastas por cordas de aço. O cedro é uma madeira leve, conhecida por produzir tonalidades agradáveis e suaves, tornando uma madeira especial aos dedilhados. Muitos violeiros acham atraente no violão o cedro de cor marrom claro.

Ainda que essa madeiras listadas acima sejam as mais utilizadas nas fabricações de violões, existe uma grande variedade de madeiras para que influenciam na sonoridade do instrumento.
Conheça algumas:

Macassar Ebony: Ótima madeira para o fundo do violão, laterais e também para o braço. Uma madeira estável, dura e densa, de aparência escura e atraente.
Acácia Negra: Conhecida também como Blackwood australiano, ela é uma alternativa mais barata do que o Koa (que também é uma acácia). Embora seja muito mais conhecida nos EUA e Austrália.
Padauk: Tonalidades fortes e brilhantes, boa para o fundo e laterais.
Pau-Ferro: Conhecida também como Jacarandá Boliviano, seus aspectos timbrísticos lembram muito a de um Jacarandá Indiano, embora o Pau-Ferro não seja de fato uma espécie de Jacarandá.
Lancewood: Esta é uma madeira relativamente recente. É uma madeira densa com uma sonoridade alta.
Pau-Brasil: Possui um sustain constante, ataque moderado com uma boa massa sonora final, essa madeira é melhor para palhetadas e não tão boa para o dedilhado.

Bom, existem mais madeiras, mas as principais estão aí.

E aí, te ajudamos a decidir?

 

Fonte: Portal Música

Adaptação: Luciene Dias

Deixe seu Comentário


Ofertas